Plantar Árvores

Árvores e outras plantas absorvem dióxido de carbono e outros gases prejudiciais e liberam oxigénio na atmosfera. Estima-se que cada acre de floresta provê oxigénio suficiente para 18 pessoas a cada dia. Um acre de floresta também absorve uma quantidade de dióxido de carbono durante um ano igual a um carro típico rodando por 30.000 quilómetros. É obvio que as árvores são essenciais ao bem estar da Terra, porém na maior parte do mundo, a devastação das florestas é um problema grave: mais de 15 bilhões de árvores são abatidas globalmente a cada ano.

Israel é uma exceção. Na verdade, Israel é praticamente o único pais no mundo que promoveu um aumento nas árvores durante o século Vinte. Desde sua fundação em 1948, cerca de 240 milhões de árvores foram plantadas em Israel. O Serviço Florestal de Israel, Keren Kayemet Le’Israel (KKL) cuida de cerca de 8% da terra no pais judaico, plantando árvores e criando parques e florestas no país inteiro.

Pioneiro Mundial em Reciclagem de Água

O Instituto de Recursos Mundial estima que 37 países atualmente possuem um “Stress Extremamente Alto” de água, o que significa que mais de 80% da água disponível é usada anualmente, “deixando empresas, fazendas e comunidades vulneráveis à escassez”.

Os Estados Unidos têm stress de médio a alto, deitando fora metade de toda a água disponível anualmente. Com uma população em crescimento, este nível de uso da água é insustentável.

Israel é um líder mundial em reciclagem de água e está compartilhando seu conhecimento em reciclagem com o mundo.

“No campo da água, Israel tem o sistema mais avançado e eficiente no mundo,” declarou o jornal Hindu, assinalando um importante acordo em 2017 entre Índia e Israel para exportar as práticas de reciclagem de Israel para a Índia e outros locais. Em Israel, 95% da água é reciclado para uso na agricultura. Espanha tem o segundo nível de reciclagem, 17% atrás do estado judaico.

A cada ano Israel exporta mais de $2 bilhões em tecnologia da água e inovação científica para outros países, e o número está crescendo rapidamente. Além disso, Israel usa seus próprios altos níveis de reciclagem da água para apoiar regiões próximas, exportando água para os territórios palestinos e o Reino da Jordânia, bem como bilhões de dólares a cada ano de intensiva colheita como pimentas, tomates e melões, cultivados no clima semi-deserto de Israel usando água reciclada.

Uma Alternativa ao Plástico

Em 2010 duas mães israelitas, Daphna Nissenbaum e Tal Neuman, decidiram criar uma alternativa para o plástico. O resultado foi Tipa, uma empresa israelita que produz embalagem flexível, reciclável. “Embalagem plástica deveria ser como embalagem natural, como uma casca de laranja,” explica Merav Koren, VP de Propaganda para Tipa: “Quando descartada, 100% da casca de laranja retorna à natureza.” A embalagem de Tipa funciona assim, provendo uma alternativa ambiental amigável, reciclável para embalagem que está se tornando conhecida no mundo inteiro.

Fabricantes europeus têm adotado a alternativa israelita de plástico. O comerciante holandês EkoPlaza usa material Tipa para mais de 40% dos seus produtos não plásticos. Criadores de alta moda como Stella McCartney e Pangaia também têm usado embalagem Tipa, ajudando a afastar os consumidores do desperdício do plástico.

Irrigação em Gota

Nos anos 1950, um agrónomo israelita chamado Simcha Blass fez uma importante descoberta: ele colocou tubos de irrigação ao longo de plantações no Kibutz Hatzerim em Israel que fica no deserto fazendo pequenos buracos na mangueira perto de cada planta. Quando ele liberou água através das mangueiras, pôde manter as plantações com muito menos água que usando métodos de irrigação convencionais.

Irrigação em gota, como a invenção de Blass tornou-se conhecida, foi desenvolvida por companhias israelitas como Netafim, Plastro e NaanDan, e tem sido constantemente melhorada e adaptada a novas formas de plantações. A irrigação em gota revolucionou a agricultura global, permitindo aos fazendeiros aumentar as plantações enquanto usam muito menos volume de água. Hoje, técnicas de irrigação em gota são partilhadas com muitos países ao redor do mundo através de MASHAV, o Centro de Israel para Cooperação Internacional.

Beber Água do Mar

Como a seca ameaça grande parte do mundo, da Austrália à Califórnia até o Oriente Médio, Israel divulga maneira de encontrar novas fontes de água limpa – incluindo água para beber e irrigação a partir do mar. Israel possui uma reserva de água graças à conservação, reciclagem e dessalinização. A Base de dessalinização perto de Tel Aviv é a maior planta de osmose reversa do mundo.

Tradicionalmente, tirar água do mar tem sido considerado um último recurso: a água salgada é passada através de filtros microscópicos para tirar o sal, mas essas pequenas aberturas podem se tornar rapidamente repletas de microorganismos, necessitando de limpeza custosa e com química intensa. Nos anos recentes, cientistas israelitas encontraram uma maneira de usar filtros e outros mecanismos para desentupir os poros, tornando o processo de remoção de sal e outras impurezas da água do mar muito mais fácil e mais económico. Israel recebe 55% da sua água do mar, e está exportando sua tecnologia e experiência para outros países.

Em 2016, enfrentando seca e incêndios florestais sem precedentes na Califórnia, a administração Obama procurou uma nação estrangeira em busca de ajuda. Israel, estabeleceu uma incubadora de limpeza técnica em Los Angeles levando dez empresas israelitas para ajudar em soluções com a água e outras crises ambientais. Indústrias IDE, a empresa israelita por trás de três das fábricas de dessalinização, forneceu tecnologia para a maior base de dessalinização dos Estados Unidos, em Carlsbad, na Califórnia. A fábrica fornece 190 milhões de litros de água diariamente para moradores do sul da Califórnia.

Conhecimento do Poder Solar

Ambiciosos planos de energia solar têm alterado a paisagem de energia em Israel: o pais recebeu mais de 13% de sua força de painéis solares em 2018 (contra 1,6% nos Estados Unidos). Ainda mais impactante que a crescente confiança de Israel em fontes renováveis de energia é o grande papel que o estado judaico está desempenhando em tornar a energia solar disponível e prática ao redor do mundo.

Cientistas no Instituto Technion de Tecnologia em Haifa têm aumentado bastante a eficiência de energia em células fotovoltaicas em painéis solares, tornando-as 70% mais eficientes – e ajudando a energia solar a se tornar uma fonte mais eficiente de energia limpa.

Reduzindo o Desperdício de Água

Muitos dos agricultores do mundo armazenam colheitas em sacos de estopa; esses são facilmente infectados com insetos e em muitos casos até metade das colheitas são comidas rotineiramente por insetos e roedores. Anualmente, cerca de 1,3 bilhões de toneladas de alimentos são perdidas devido a problemas com estoque de alimentos. Com 805 milhões de pessoas desnutridas ao redor do mundo, isso é comida suficiente para todos e para eliminar a fome.

Uma tecnologia israelita bastante divulgada chamada Casulo do Grão está nas linhas de frente para lutar contra a perda da colheita e está a ajudar agricultores no mundo inteiro a armazenar bens e reduzir o desperdício de alimentos.

Casulo do Grão é uma sacola de alta durabilidade, reutilizável que pode armazenar entre cinco e 300 toneladas de grãos, hermeticamente fechados para que não possam ser danificados por insetos, animais ou clima. Desenvolvida pelo cientista israelitas Shlomo Navarro, o Casulo do Grão pode ser usado com cereais, arroz, legumes e temperos, e salva 99% das colheitas. As sacolas matam insetos, portanto ao usá-las os fazendeiros limitam o uso de pesticidas prejudiciais. Ao armazenar alimentos com segurança, as sacolas também permitem que os agricultores reservem as colheitas até que os preços subam, ajudando a erradicar a pobreza rural.

Casulos do Grão são usados amplamente. Agricultores em mais de cem países pobres usam a invenção israelita – incluindo agricultores em países árabes que se recusam a reconhecer o estado judaico. Agências de ajuda, os maiores clientes de Casulos do Grão, divulgam o uso do produto de maneira mais segura e com preço razoável.

Água Segura em Toda Parte

Menos de um 1% da água do mundo é segura para se beber. A cada ano dois bilhões de pessoas não têm acesso água limpa, e cerca de 1,6 milhões de crianças com menos de cinco anos morrem a cada ano por beberem água contaminada.

Reconhecendo essas tristes estatísticas, o criador de infraestrutura israelita Yossi Sanda começou a pesquisar maneiras de criar purificadores de água altamente portáteis, eficazes em 2005. Com o cientista israelita Ran Shani, eles desenvolveram e testaram um pequeno canudo de 10 gramas que pode ser colocado no topo de uma garrafa e purifica a água e a torna segura para beber. Sandak e Shani chamaram sua invenção de WaterSheer, e nos últimos dez anos está revolucionando a segurança da água potável no mundo inteiro.

Quando o Taiwan foi atingido por um forte terremoto em 2009, israelitas que trabalhavam para ajudar no resgate levaram WaterSheeer com eles, ajudando os sobreviventes. “Você precisa de água de qualidade em toda circunstância,” explica Yossie Sandak, “e podemos prover até em casos de desastre. Em Taiwan, dentro de 48 horas os nossos produtos já estavam no campo e purificando 16.000 litros (4227) galões por dia.”

WaterSheer também tem sido usado em desastres humanitários em Myanmar e Haiti, e fizeram parte dos planos de contingência em caso de emergência durante os Jogos Olímpicos de 2016 no Brasil.

Outras tecnologias israelitas também estão ajudando a garantir água potável. A empresa Sulis produz Artefactos Pessoais de Purificação: tabletes de purificação de água que podem purificar qualquer fonte de água, tornando-a segura para beber. O Alerta Sokol israelita é um sistema de purificação reutilizável que pode tratar 3.100 galões de água de uma vez e estocá-los em galões que podem ser carregados e caminhões e entregues em locais onde a água potável é escassa. Os contêineres Sokol são afixados com torneiras permitindo que as pessoas encham vasilhames diretamente com água potável.

Comprometendo-se a Reduzir Resquícios de Carbono

Israel é signatário do Acordo Climático de Paris, e em 2016 embarcou num plano ambicioso para reduzir drasticamente o resquício de carbono do pais, visando a uma redução de 26% sobre os níveis de 2005 até 2030. Isto é o equivalente a 7,7 toneladas de dióxido de carbono sendo liberadas. Pedindo 800 milhões de shekels (cerca de 225 milhões de dólares) para o esforço, o então Ministro das Finanças Moshe Kahlon explicou. “Pretendemos continuar a investir em recursos para reduzir ainda mais a poluição do ar e emissões de gás.” Os economistas estimam que comprometendo-se a reduzir as emissões de gás, um significante criador da mudança climática, iria aumentar a economia israelense para cerca de 8 bilhões no total.

Comparada ao nível global, a emissão de carbono de Israel é ínfima. Mesmo assim, o estado judeu está tentando fazer o melhor. Em 2018, Israel anunciou uma grande nova iniciativa para aumentar o gasto do governo em infraestrutura pública, incluindo trens e outras formas de transporte com baixa poluição. O sistema viário de Jerusalém está sendo expandido, e Tel Aviv tenta conseguir seu primeiro sistema de metro subterrâneo. Uma conexão de alta velocidade foi iniciada entre Jerusalém e o Aeroporto Internacional Ben Gurion, e existem planos para conectar outras cidades por meio de trem de alta velocidade.

Criando Peixes no Deserto

Excesso de pescaria é uma grande ameaça ao suprimento de comida global. Um terço de todas as espécies de peixe no mundo estão atualmente ameaçadas pela pesca desenfreada. Muitos países criaram peixes em cativeiros para aumentar a sustentabilidade, mas isso tem gerado problemas: cultivos de peixe geralmente produzem enorme desperdício de nitrogénio, que por sua vez exige esforços para limpar e despoluir. Como a criação de peixes com frequência ficam perto das praias, em água rasa, a poluição de nitrogénio envenena as águas, contaminando-as e matando os peixes. Em muitas regiões, por este motivo, foram banidas.

A nova tecnologia israelita está mudando isso. A GFA Sistema Avançado para Água Fresca de Peixe de Água Salgada tem criado formas pioneiras de purificar a água nas culturas de peixes, eliminando nitrogénio. GFA (“Grow Fish Anywhere”) cria tanques de peixes que usam micróbios para tratar nitrogénio e desperdício orgânico num “sistema de descarga zero”. O peixe cresce numa construção proposital, em tanques que podem ser colocados em qualquer local; a água somente precisa ser adicionada para evitar a evaporação. “É o sistema de crescimento de peixes mais eficiente possível” explica Dotan Bar-Noy, CEO. “Não há poluição, e não há necessidade de pescar no mar. Apenas tanques criados com tecnologia GFA em qualquer lugar do mundo, e apanhar os peixes quando você está pronto para comercializá-los.”

A tecnologia de pesca de Israel tem transformado regiões da África. Em 2012, os governos de Israel e Kenya fizeram uma parceria para levar a tecnologia de pesca de Israel para a região do Lago Vitória, onde o excesso de pesca e poluição devastaram os estoques de peixe. Em 2017, Israel começou a exportar a tecnologia de criação de peixes para a Libéria, ajudando fazendeiros dali a se tornarem produtores independentes de peixe com poluição zero.

“Quando as populações crescem,” explica Bar-Noy, “muitos países estão procurando peixes como fontes de proteína, mas a pesca desenfreada e sem critérios ameaça destruir aquele sonho… Com a tecnologia israelense os peixes podem ser criados em toda parte – até no deserto – com mínimo impacto ambiental. Isso é mais que apenas criar peixe. Poderia ajudar a alimentar milhões.”

David Ben Gurion. Primeiro Ministro de Israel, disse: “A energia contida na natureza, na terra e em suas águas, no átomo e no brilho do sol não vai nos elogiar se deixarmos de ativar a mais preciosa energia vital: a energia moral-espiritual inerente na humanidade, nos recessos mais íntimos de nosso ser, em nossa alma misteriosa, não comprometida, inexplicável e divinamente inspirada.”

Hoje, quando Israel está encontrando mais e mais soluções em incontáveis campos, quem beneficia é o meio-ambiente, o planeta e toda a humanidade que desperta para uma atitude mais consciente de seu dever e potencial em preservar a obra-prima Divina.

Original por Yvette Alt Miller– Publicado em www.aish.com

Written by Admin